quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Review CD: Michael Jackson - Invincible (10 anos depois)

Nenhum álbum do Michael Jackson causou tanta controvérsia quanto ‘Invincible’, último álbum em vida do Rei do Pop.  Os fãs dizem que o disco foi sabotado e os detratores dizem ser o álbum mais fraco da história do cantor. De fato, analisando cuidadosamente o obra de Jackson, Invincible é sim o pior disco do cantor , os sinais podem ser vistos pela capa pobre. Os temas sobre salvar o mundo e ajudar as criancinhas desamparadas no mundo aparecem novamente por aqui e, bom, é maçante. Mas 10 anos depois o que podemos dizer sobre o tão polêmico álbum, ele é ruim mesmo ou podemos tirar algo positivo dele? Quando saiu, no dia  30 de Outubro fiquei com uma certa expectativa, mas ao ouvi-lo percebi que os anos de glória de Jackson estavam mesmo no passado. 

Achei que fosse mudar minha opinião ouvindo-o mais vezes, mas infelizmente minha opinião prevalecia à mesma, não teve jeito. O que poderia ter prejudicado Invincible? A produção excessiva ou número grande de baladas ou o tempo de duração do CD? São 76 minutos de canções. A resposta é tudo um pouco.  Os discos de Michael Jackson sempre tinham aquela primeira faixa triunfal de chutar traseiros, como é o caso de ‘Don’t stop til get enough’ em Off the Wall, ‘I Wanna be startin something’ em Thriller, claro ‘Bad’, do álbum homônimo e ‘Jam’ em Dangerous. Depois disso, Michael apenas tentou como no caso em ‘Scream’, dueto com a irmã Janet em History, que até hoje acho uma faixa apenas razoável e Blood on the dance floor’, fraquinha demais.  

Em ‘Invincible’, a coisa começa morna e burocrática com a pretensiosa ‘Unbreakable’. Seguida então das fracas ‘Heartbreaker’ e ‘Invincible’. Mas as baladinhas iniciais são boas, como é o caso de ‘Break of Dawn’ e ‘Heaven can Wait’, onde Michael atinge um tom até então inédito, são canções que causam um certo impacto e mereciam respeito, assim como ‘Butterflies’. O grande single ‘You Rock my world’ tenta remeter os tempos de ‘Off the wall,’ mas o máximo que consegue é ser uma prima distante de ‘Remember the time’.

Pode-se dizer que da primeira faixa até a sexta com ‘You rock my world’, o álbum segue razoavelmente bem  e ‘Butterflies até passa arrastando, mas a partir daí, o álbum cai de vez em banalidades como: “Speecheles”, “9.200 Watts”, ‘Privacy”, “The Lost children’ e outras faixas que sequer precisavam ver a luz do dia. São lentas, fracas e arrastadas demais. É possível até mesmo tirar uma soneca, um verdadeiro tédio invencível como foi taxado na época de seu lançamento. A parceria de Michael com Santana em ‘Whatever Happens’ até anima, mas a última ‘Threatened’ é uma daquelas faixas que ouvir por completo é uma verdadeira tortura. É uma tristeza enorme que a carreira de Michael  Jackson tão rica em qualidade tenha se encerrado com um álbum tão inferior a sua obra de outrora. Dez anos depois ainda fica aquele gosto amargo de ter ouvido talvez, o álbum mais fraco da história de Jackson. Não chega a rivalizar com o póstumo ‘Michael’, mas é frustrante ouvir esse álbum 10 anos e manter a mesma opinião. Invincible continua sendo aquele tédio invencível.

Nota: 4,5


Nenhum comentário:

Seguidores

Ocean of Noise

Minha foto
Florianópolis, Santa Catarina, Brazil
Renato Cunha 28 anos Propósito do blog: Mais um veículo dedicado ao mundo pop. Com minhas próprias palavras colocarei o que penso sobre a arte em geral. E-mail: renatornc@hotmail.com