quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Review: As Donas da Noite (Wir sind die Nacht)

A série Crepúsculo pode ser mesmo uma baita de uma bomba. Vampiros bonzinhos? Românticos? VEGETARIANOS? E outras coisas que quebram as regras básicas vampirescas fez os admiradores de filmes antigos subirem pelas paredes. Mas para uma coisa essa infame franquia serviu, trazer os vampiros de volta á tona. Após o sucesso da adaptação de Crepúsculo, várias novas produções sobre vampiros ganharam sinal verde de produtores ao redor do mundo. Na Suécia tivemos o ótimo ‘Deixe-ela-entrar’, que ganhou um inesperado remake americano sensacional chamado ‘Deixe-me Entrar’. Sem contar continuações de ‘Garotos Perdido’, que ganhou duas sequencias direto para DVD e o mais recente, o remake do clássico ‘A Hora do Espanto’.


E mais nova incursão sobre o mundo dos vampiros é o divertido ‘As Donas da Noite’ (Wir Sind die Nacht) produção alemã, que traz novamente vampiros...ou melhor, vampiras, nada de vampiros. Na história traz um trio de vampironas, sendo que a líder está procurando uma alma gêmea para completar o grupo. Acham na delinquente Lena a pessoa ideal. De início a garota resiste, mas com uma vida solitária e com promessas de uma vida melhor e abundante, Lena cede e entra para o grupo das vampiras. A vida de Lena muda da água para o vinho, da solidão e pobreza, agora uma linda burguesa que percorre as ruas de Berlin com carrões do ano. Claro que nada ficará tão bom. Lena ainda vive no mundo dos humanos e os problemas trarão consequências para suas escolhas.

É uma pena que pouco falou-se nessa produção, o filme, pelo menos por aqui foi lançado diretamente em DVD e Blu-Ray. Eu o descobri quando vi um pôster na locadora e o mesmo me chamou atenção. Antes de alugá-lo preferi pesquisar bastante e ver comentários do que o povo havia achado no IMDB, pois não estava muito interessado em ver mais uma cópia da obra de Stephenie Mayer. As respostas foram positivas e então fui mais tranquilo até a locadora mais próxima pra ver do que se tratava. ‘As Donas da Noite’ conseguiu me conquistar exatamente pelo roteiro bem trabalhado, tentando ao máximo fugir dos clichês que assolam esse sub-gênero, conseguindo com sucesso na maioria das vezes. Ainda existe um interesse romântico, mas não é o foco da história. 

Uma coisa que sempre me agrada em filmes de vampiro é sempre o momento cool com trilhas sonoras bacanas. Vi isso em ‘A Hora do Espanto 1 e 2’, ‘Os Garotos Perdidos’ e até mesmo em ‘Deixe-me entrar’. Em ‘As Donas da Noite’ não foge a regra, a trilha é carregada com um som eletrônico de chacoalhar o traseiro de qualquer um, até procurei a trilha sonora para ouvi-la no meu Ipod. Outro destaque são as próprias vampiras, sexy, lindas e carismáticas. Karoline Herfurth (Perfume), Nina Hoss, Jennifer Ulrich e Ana Fischer trazem cada uma sua personalidade e são atrizes talentosas. A produção traz momentos de horror, humor (a cena em que Charlotte apaga um cigarro é impagável), ação (excelentes pegas de carro impressionam) e um pouco de romance, mas bem pouco, nada que lembre o casal insuportável  Bella e Edward.


Aqui todas as regras vampirescas são respeitadas. Sem reflexos no espelho, o sol volta a ser um problema se uma das vampiras decidir ficar acordada durante o dia. Para quem ainda está cético, aconselho ir sem culpa, a produção cumpre com o que promete e surpreende, pois os efeitos especiais estão muito bem realizados para uma produção de baixo custo. Mas é aquele tal negócio, é com um orçamento apertado que se faz um diretor trabalhar muito mais.

Nota: 7,5

Veja o trailer;



2 comentários:

LuanaS disse...

Vi o filme, gostei bastante.... espero que tenha o 2... por que o final foi sem graça...rsrs

Abraços

Dany Vamp disse...

Tabém gostei bastante :)

Yah concordo contigo, o fim foi sem graça :o

Seguidores

Ocean of Noise

Minha foto
Florianópolis, Santa Catarina, Brazil
Renato Cunha 28 anos Propósito do blog: Mais um veículo dedicado ao mundo pop. Com minhas próprias palavras colocarei o que penso sobre a arte em geral. E-mail: renatornc@hotmail.com